O paralítico resignado

Hoje gostaria de chamar a sua atenção para algo que acontece frequentemente na nossa vida: a resignação.

Houve um homem paralítico que viveu no tempo de Jesus, por quem os anos passaram demasiado rápido. Reduzido à sua condição de paralítico, parece-nos que a resignação o venceu, e quase sem se aperceber, a paralisia custou-lhe 38 anos de vida. Ao fim de 38 anos vitimado pela paralisia, ele pôde finalmente ter um encontro com Deus e falar com o Médico dos Médicos. À frente dele estava a solução para o seu problema, mas a sua resignação quase o fazia perder a oportunidade…

João 5:1-7

1 DEPOIS disto havia uma festa entre os judeus, e Jesus subiu a Jerusalém.
2 Ora, em Jerusalém há, próximo à porta das ovelhas, um tanque, chamado em hebreu Betesda, o qual tem cinco alpendres.
3 Nestes jazia grande multidão de enfermos, cegos, mancos e ressicados, esperando o movimento da água.
4 Porquanto um anjo descia em certo tempo ao tanque, e agitava a água; e o primeiro que ali descia, depois do movimento da água, sarava de qualquer enfermidade que tivesse.
5 E estava ali um homem que, havia trinta e oito anos, se achava enfermo.
6 E Jesus, vendo este deitado, e sabendo que estava neste estado havia muito tempo, disse-lhe: Queres ficar são?
7 O enfermo respondeu-lhe: Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me ponha no tanque; mas, enquanto eu vou, desce outro antes de mim.

Piscina de Betesda

Imaginemos agora esta cena: uma piscina de água tranquila, e à sua volta uma multidão de doentes com as mais variadas doenças e problemas físicos. Todos a acotovelarem-se para poderem estar perto da água, para que quando ela se movesse, pudessem saltar lá para dentro primeiro que os outros todos e dessa forma serem curados.

O nosso paralítico estava ali também. Tinha vindo na esperança de que a sorte o bafejasse, mas rapidamente se apercebeu da crua realidade: a concorrência era tanta, que ele não tinha a menor hipótese de ser o primeiro a entrar na água. A resignação mais uma vez o venceu. Não havia nada a fazer. Talvez se a água se mexesse quando todos estivessem distraídos, e ele conseguisse disfarçadamente rolar para dentro da água… Mas isso era praticamente impossível.

Não sabemos há quanto tempo ele estava ali. Podem ter sido apenas algumas horas, ou dias, ou semanas… O que é certo é que ele estava já tomado pelo desânimo.

Isto pode acontecer na nossa vida também. O peso dos problemas e das responsabilidades, o stress constante, podem contribuir para tornar-nos pessoas desiludidas, e até amargas com a vida e com as pessoas à nossa volta.

Mas agora está ali Jesus. E Ele vem falar com o nosso paralítico. Olhando para ele, e sabendo que estava naquele estado há muito tempo, a sofrer com aquela limitação física, Jesus faz-lhe uma pergunta que nos parece ridiculamente impensável: “Queres ficar são?”

Porque é que Jesus lhe fez aquela pergunta? Se ele estava ali a olhar para a água, é porque queria ficar são, não é? Bem, talvez… É que por vezes acomodamo-nos de tal forma com os nossos problemas e as nossas limitações que já quase não sabemos viver sem eles. Tanta vez ouvimos dizer: “são as minhas artroses”, ou “é o meu reumatismo”, ou ainda “é o meu problema do colesterol”. Resignamo-nos diante do problema. Alguns chegam até a dizer: “olha, é porque deve ser a vontade de Deus”. Mas isso é mentira, porque se um pai terreno não deseja mal aos seus filhos, muito menos Deus!

Jesus fez-lhe aquela pergunta para o fazer estremecer. Para o acordar para a realidade, e para o fazer despertar daquele suave turpor com que a resignação o tinha envolvido. Ainda inebriado na sonolência da resignação, ele responde envergonhado que nada há a fazer. A solução que ele esperava era impossível de alcançar.

Este é o problema: nós desenhamos nas nossas mentes a solução que nos parece melhor, mas por vezes Deus tem outros planos. E em vez de estar a olhar para Jesus, que É a solução para TODOS os problemas, o nosso querido paralítico continuava a olhar atentamente para água, ali tão perto, e ao mesmo tempo tão longe.

Neste caso específico a cura não parece ter dependido de fé por parte do paralítico. João não nos diz que Jesus ali tenha feito alguma pregação ou tenha falado com ele acerca do poder de Deus por forma a que a fé dele crescesse ao ponto de poder receber o milagre. Parece-nos que foi mesmo pela fé de Jesus que ele acabou por ser curado. É que Jesus tomou a iniciativa e deu-lhe uma notícia em primeira mão: A partir de agora já podes levantar-te – porque é que estás ainda aí deitado?

João 5:8-9

8 Jesus disse-lhe: Levanta-te, toma o teu leito, e anda.
9 Logo aquele homem ficou são; e tomou o seu leito, e andava. E aquele dia era sábado.

Imediatamente o nosso querido paralítico foi curado. Pegou na cama onde estava deitado e caminhou. Naquele dia ele teve um encontro com Deus. E a sua vida nunca mais foi igual.

E você? Está preparado para um encontro com Deus, ou anda resignado com a sua vida e distraído a olhar para a água? Aprenda a depender cada vez mais de Deus. Nunca se resigne, pois isso é meio caminho para a derrota. Leia a Bíblia, principalmente o Novo Testamento, e aprenda mais deste Jesus maravilhoso que tem um plano incrível de vitória para a sua vida!