A Fé que recebe o milagre

Evangelho de Marcos, capítulo 5:22-43

No capítulo 5 do evangelho de Marcos, e a partir do versículo 22, este escritor aborda a vida de duas pessoas e as situações que atravessavam naquele momento: Jairo, cuja filha de doze anos estava à morte (vemos a idade dela em Lucas 8:42), e uma mulher que sofria de uma doença incurável há também doze anos.

Jairo era um dos dirigentes da sinagoga, portanto uma autoridade religiosa bastante conceituada naquele tempo. Por aqueles dias a sua querida filha adoeceu, e estava agora às portas da morte. Foi preciso ter coragem para se dirigir abertamente a Jesus, pedindo-lhe ajuda, mas Jairo preferiu salvar a vida da filha, mesmo que por causa disso viesse depois a enfrentar os outros religiosos e mesmo a perder a sua previlegiada posição de liderança. De facto, correndo o risco de ficar muito mal visto pelos seus pares, veio ter com Jesus e prostrou-se aos Seus pés, implorando-lhe que fosse à sua casa. Ora, aos Judeus tinha sido ordenado que não se ajoelhassem diante de nada nem ninguém a não ser de Deus – e com isto Jairo admitia publicamente que acreditava na divindade de Jesus.

Jesus aceitou imediatamente ir com este homem, pois ele o procurou com fé. Jairo acreditava que Jesus podia fazer um milagre e curar a sua filha. Não tinha apenas esperança, nem o procurou como hoje em dia alguém vai “à bruxa” ou aos curandeiros – Jairo arriscou o seu estatuto e a sua vida porque SABIA que Jesus iria transformar o problema numa vitória! Ele sabia que Jesus era a solução! Este é o tipo de fé que produz um milagre de Deus na sua vida.

E diz Marcos que enquanto iam pelo caminho a multidão era tanta que as pessoas se apertavam umas às outras e a Jesus, que ia no meio deles.

Nisto, Marcos interrompe o foco da acção e começa a falar acerca de uma mulher que também ali estava com a multidão, e que há doze anos (tantos como a vida da filhinha de Jairo) vivia com uma doença incurável: uma hemorragia constante. Diz-nos também que ao longo desses doze anos ela gastara tudo o que tinha com médicos, procurando a cura da sua doença, mas nenhum deles a conseguira curar. Ela, ao ouvir falar acerca dos feitos de Jesus, acreditou que Ele seria também capaz de a curar a ela. E de tal maneira acreditou nisso que com essa fé ela dizia para si própria: “Basta eu tocar na sua roupa e serei curada”. Ora aqui está o mesmo tipo de fé que Jairo tinha!

Quantas vezes as pessoas oram a Deus pedindo algo sem fé? Oram, não acreditando que vá acontecer o que pedem. Oram apenas com uma vaga esperança de que talvez aconteça… Oxalá aconteça… Isto não é fé – é simples esperança, e a esperança por si só não chega.

Prosseguindo o relato, Marcos conta-nos que ela se aproximou de Jesus por trás, acotovelando a multidão e lutando contra as dificuldades que a separavam do seu milagre. Aqui ela podia ter desistido, usando a desculpa de que a multidão era muita, que falaria com Jesus no dia seguinte, etc. Mas não, ela prosseguiu para o objectivo, com fé de que a hora de receber o milagre havia chegado.

Não sei se já chegou a esta conclusão, mas “ter fé” significa “ter certeza”, ou “acreditar completamente”.

O que é certo, é que a mulher avançou e tocou na roupa de Jesus, e imediatamente sentiu parar a sua hemorragia – tal como ela tinha acreditado que aconteceria!

Ora, à volta de Jesus muita gente se acotovelava e apertava, mas nenhum deles Lhe tinha tocado com fé. E Jesus apercebeu-se de que naquele momento tinha saído Dele poder para a vida de alguém. Por isso parou, virou-se para a multidão e perguntou: “Quem tocou na minha roupa?” – Ora, os discípulos acharam a pergunta estranha, pois toda a gente o apertava, mas ele insistiu e olhava para as pessoas à procura de quem Lhe tocara com fé.

Então a mulher, temendo e tremendo deu um passo em frente, prostrou-se em adoração diante Dele e contou porque razão Lhe tinha tocado e como fora instantaneamente curada. Ao que Jesus respondeu: “Filha a tua fé te curou”.

Enquanto Jesus dizia estas palavras, chegaram alguns empregados ou amigos de Jairo que lhe disseram que podia desistir da sua fé, porque a menina tinha acabado de morrer! Quantas vezes nos dizem também a nós para desistirmos da nossa fé? Para não acreditarmos no milagre?

Mas Jesus ouvindo isto reconfortou-o: “Não temas, continua a acreditar”. Imagino que estas palavras tenham sido uma alavanca para a fé de Jairo. Se por um lado a dúvida o tentava assaltar (que poderia fazer Jesus contra a morte?), a fé dele em Jesus e nas Suas palavras sobrepunha-se a tudo o que passava à sua volta e às notícias e palavras de desencorajamento que ouvia dos seus próprios amigos.

Quando chegaram à casa de Jairo, Jesus entrou com apenas alguns dos Seus discípulos e com os pais da menina. E todo aquele povo se lamentava e chorava a morte da adolescente – era um ambiente de funeral autêntico com choro e pranto… Jesus diz-lhes então que não há razão para todo aquele alvoroço, pois a menina não está morta, apenas dorme. Ora esta frase é mais uma achega a favor da fé de Jairo, como quem lhe dizia: “Mantém-te firme na fé, não desistas por pior que te pareçam as coisas à tua volta, por mais que te digam que não há solução”…

E diz a Bíblia que se riam de Jesus, pois o povo sabia que a menina estava mesmo morta. É engraçado como o povo que chorava e pranteava, de repente já tinha vontade de rir, como se a tristeza de há momentos fosse pura hipocrisia…

Mas ignorando os incrédulos, Jesus fê-los sair da casa, ficando com Ele apenas quem tinha fé, e tomando a mão da menina ordenou-lhe que se levantasse. E assim aconteceu! Porque ali estava a fé que recebe milagres!

A fé de Jairo foi recompensada no final – mas ele teve que se manter firme contra tudo e contra todos, até contra a própria morte! Isto é que é fé!…

Para ler as narrativas originais clique em baixo:
Mc 5:22-43 – http://www.bibliaonline.com.br/nvi/mc/5
Lucas 8:41-56 – http://www.bibliaonline.com.br/nvi/lc/8